Vinhos na Serra Fluminense – A inconfidência que não é a mineira

Após Secretário, subdistrito de Petrópolis, próximo ao circuito da badalada Itaipava (Serra Fluminense), um projeto inovador enológico desponta bem debaixo das barbas dos enófilos cariocas: a Vinícola Inconfidência.

Snapseed

O engenheiro José Cláudio Rego Aranha, proprietário do empreendimento, com consultoria do engenheiro agrônomo Murillo Regina, bravamente desenvolveu a viticultura em solo Fluminense a partir de novembro de 2010, quando plantaram as primeiras mudas com auxílio do dedicado André Luiz Gonçalves. A superfície plantada é de 4 hectares, com um acréscimo na área plantada de mais 1,5 hectares. No momento, são cultivadas as castas brancas Sauvignon Blanc e Viognier, esta última ainda não produtiva, e as castas tintas Cabernet Franc, Merlot, Cabernet Sauvignon e Syrah.

Murillo Regina foi o primeiro a aplicar a técnica de dupla poda para alterar o ciclo da videira, fazendo com que a fase produtiva aconteça entre o outono e inverno, época em que predomina uma menor pluviosidade e maior amplitude térmica, cruciais para a sanidade e qualidade da fruta. No momento, as uvas da propriedade são vinificadas na Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), no município de Caldas-MG. O projeto, em caráter evolutivo, pretende construir uma área de vinificação e a vinícola propriamente dita, acrescida de sala de degustação com vista para o vinhedo e ponto de venda.

Muitos desafios ainda têm que ser vencidos, como doenças fúngicas (os conhecidos Míldio e Oídio) e Glomerella, que ataca as bagas na época da colheita e causa a podridão das uvas com perdas expressivas. A traça-dos-cachos também é outro fator de transtorno, pois provoca o rompimento da fruta com extravasamento do suco, sobre o qual se proliferam bactérias, provocando podridão.

Iniciamos a visita à propriedade, com uma boa caminhada entre as íngremes subidas e descidas da bela região serrana, numa manhã de domingo de outono com temperatura amena e agradável. Prontamente recebidos e acolhidos por André Luiz Gonçalves, responsável operacional no vinhedo, que com sua gentileza e cortesia, nos mostrou e explanou com propriedade sobre o manejo da vinha e o belo trabalho que sua equipe desenvolve naquela região. Após este tranquilo passeio, nos dirigimos para a aconchegante, porém temporária, sala de degustação, a derradeira e principal fase da visita.

Foram degustados 3 vinhos:

Sauvignon Blanc 2016, álcool 13,5. Límpido, branco papel, aromas limpos (porém, contraídos), sem a exuberância desta casta aromática, lembrando um vinho de lugar mais frio. Notas discretamente cítricas e folhagens de limão, gramíneas recém cortadas e leguminosas verdes (ervilha e vagem). TP 84.

Assemblage 2016 (56% Cabernet Franc, 29% Syrah e 15% Cabernet Sauvignon), álcool 13,8. Límpido, rubi médio, notas de frutas vermelhas (predomínio de cereja e framboesa), além da pimenta. Taninos médio menos, com algum amargor no fim de boca. TP 82

Cabernet Franc 2015 (3% Merlot e 2% Cabernet Sauvignon), álcool 13,5. Límpido, rubi médio, ataque inicial da pirazina, que ameniza no decorrer do tempo. Aromas de pimentão, pimenta negra, frutas vermelhas (cereja e ameixa), taninos médios menos, mais agradáveis em comparação ao Assemblage, com maior presença em boca. Na Taça Preta (degustação às cegas) me levaria erroneamente para os confins do Chile, com vinhos de similar qualidade/preço. TP 85.

Os vinhos ainda não estão sendo comercializados, pois aguardam liberação das autoridades responsáveis para a rotulagem e venda futura.

Vinícola Inconfidência

Estrada do Fagundes, S/N. Pedro do Rio – Petrópolis – RJ.

Por Márcio Monteiro com revisão de Igor Gameleiro

Fotos Rogério Felício